domingo, 22 de janeiro de 2012

O Sósia do Neymar

O fato ocorreu em janeiro desse ano, quando estava de férias e fiquei uma semana numa pousada na praia. Como meu irmão me disse uma vez, que pareço um peixe, pois não saio da água. E não saio mesmo, pois curto o mar de montão. E, quando vou pra praia, é pra descansar e aproveitar a água mesmo. Mas se surgir uma oportunidade eu não desperdiço, rsrsrs. E surgiu. Eram umas 09:30h e eu já estava a um tempo na água. Não tinha muita gente na praia, do jeito que eu gosto. Só tinha um casal com seus filhos na areia. Tava tranquilo aproveitando a água quando escuto uma voz atrás de mim: -Tatuagem legal meu! - Eu tenho uma tatuagem nas costas, na omoplata esquerda. Olhei para trás e vi um gurizão novo, perto dos 18 anos e na hora me lembrou o Neymar, era magrinho, corpinho definido, moreninho, cabelo moicano e brinquinho na orelha. Como diz um amigo meu, um cafuçu, que sinceramente adoro e me dá tesão demais. Só que na hora nem pensei em sexo e nada. Pois o guri além de ser novo não aparentava estar interessado em algo mais, pois outras pessoas já tinham conversado comigo na praia sobre a tatoo e tal, achei que fosse só mais um. Conversamos numa boa sobre futebol e outros assuntos, nadamos um pouco e como já tinha passado das 10h, hora que saio e vou pra pousado, fomos pra areia e conversamos mais um pouco. Foi ali, sentados na areia que pude reparar melhor no guri: realmente era muito gostosinho, usava uma sunga preta que marcava o pau dele, além de ter um olho castanho lindo e um belo sorriso. Apreciei tudo meio de canto, sem dar bandeira, pois meu pau já tava dando sinal de vida na minha sunga vermelha. O nome do guri era Bruno e morava em Canoas. Foi quando eu dei sinais de ir embora que ele me largou essa: -Posso te falar uma coisa? -Claro! - respondi. -Bah, mas não leva a mal meu, tá? -Claro Bruno! - eu ri – Pode falar o que quiser. -Tu é muito gostoso meu! Tem um corpo delicioso! - falou, me olhando de cima a baixo – Tô com maior tesão. Na hora eu ri e fiquei vermelho, pois me pegou de surpresa. -Você é gay? - perguntei. -Não, mas curto um lance entre machos e você? -Também curto. -Tô vendo! - disse ele, olhando pro meu pau que parecia querer saltar pra fora da minha sunga. -É melhor a gente ir pra um lugar mais reservado, que acha? - me levantei e vesti minha bermuda pra disfarçar um pouco a ereção. Bruno fez o mesmo e respondeu: -Demorô! Fomos conversando até a pousada que eu estava hospedado. O guri tinha um papo bem legal. -Não vai dar galho com o pessoal da pousada? - ele perguntou. -Não – respondi – qualquer coisa é um amigo meu que veio conhecer o lugar. Só que para nossa sorte não tinha ninguém. Quando entramos no quarto, Bruno me agarrou, me jogou na parede e me tascou um beijo de língua delicioso. Era um beijo selvagem e intenso. O guri realmente sabia beijar muito bem e explorava minha boca com a língua dele. -Meu, tava doido pra te beijar desde que te vi. - e me beijou de novo com a mesma força e desejo. -Calma... - segurei ele um pouco – Não precisa ser tão afobado. Aprecie mais o beijo. - aí fui eu que beijei ele, com calma e jeitinho de forma a saborear toda aquela boca e aquela língua. - Que tal um banho? - falei com os lábios meio colados no dele. Bruno só respondeu um “Ahã”, sem tirar a boca da minha e fomos nos beijando até o banheiro. Eu tirei minha bermuda e minha sunga. Meu pau saltou pra fora e fui ligar o chuveiro. Bruno tirou a sunga e também tava com uma baita ereção: um pau lindo, moreninho, retinho e só um pouquinho torto pra esquerda e uma cabecinha vermelha – perfeito, que dava uma vontade louca de chupar. Eu puxei ele pro boxe e dei outro beijo. Bruno pegou o sabonete e começou a ensaboar meu peito, minha barriga e desceu pelas minhas pernas. - Não esqueceu nada? - perguntei sorrindo. -Aqui eu vou dar um trato especial – disse, abaixado na minha frente e meteu meu pau na boca dele. Numa tacada só o guri conseguiu engolir todo meu pau. Ele me surpreendia. Apesar de novo era bem experiente. Me chapava me levando a loucura. Segurei ele pelo moicano e soquei minha pica na boca dele e parei. Puxei ele pelo cabelo pra cima e o beijei. -Vamo com calma, se não vou gozar rápido. Você é muito gostoso. - disse. Então virei Bruno de costas e o pus debaixo do chuveiro. Ele se apoiou na parede, abriu as pernas e empinou a bunda. Comecei a ensaboá-lo pelas costas, enchendo ele de beijinhos, mordidas e pequenos arranhões. Bruno já estava todo arrepiado e gemia de desejo. Desci naquela bundinha moreninha, de gurizinho, durinha e perfeitinha. Era toda lisinha. Me levantei e me posicionei atrás dele. Beijei a nuca do Bruno e coloquei meu pau no meio da bundinha dele. O abracei sentindo os gominhos da barriga dele e meti meu pau no cuzinho do Bruno. Meu pau entrou fácil, o guri já estava acostumado a levar pica no cú, mas mesmo assim deu uma gemidinha. Como meu pau entrou fácil, não me fiz de rogado e comecei a meter com tudo, apertando aquele corpinho magro, mordendo a orelha e beijando a nuca dele. -Mete, mete tudo! Adoro ser fudido por um macho! - dizia Bruno, gemendo de prazer e rebolando no meu pau. Como eu tava louco de tesão não aguentei muito tempo e gozei enchendo o cú de Bruno de porra. Terminamos o banho e fomos pra cama. Eu deitei e Bruno veio sobre mim, beijando minhas pernas, subindo até minha barriga e chegando até minha boca e depois desceu até o meu pau, fazendo um boquete delicioso. Depois que meu pau tava bem lambuzado, ele posicionou seu cuzinho no meu pau e sentou e começou a me cavalgar. Aquela visão foi maravilhosa: eu praticamente via o Neymar cavalgando no meu pau. Bruno era muito parecido e eu sempre achei o Neymar muito gostoso, o que me dava maior tesão ainda. Peguei e fiz Bruno deitar e lambi e beijei o peitinho dele. Desci pelos músculos na barriga e agarrei aquele pau lindo. Lambi a cabecinha e devagar colocava a língua na fenda do pau dele. Beijei a cabecinha e fui abrindo minha boca pra engolir o pau de Bruno aos poucos. Logo já estava com todo o pau na minha garganta, sentindo os pouco pentelhos dele no meu nariz. Chupei aquele pau com gosto. Bruno gemia como um doido. Antes que ele gozasse, o virei de bruços na cama e comecei uma massagem pelas costas. Cheguei na bunda dele e lambi o cuzinho. Me deitei sobre ele e meti meu pau com tudo naquele cú. Bruno gemeu e tentou fugir, mas não tinha como, então empurrou a bunda dele contra meu pau pra fazer tudo entrar de uma vez. Com ele dominado, comecei a bombar. Eu o agarrava pelo moicano e socava meu pau no cú dele. Virava a cabeça dele e o beijava. O segurei pela cintura e o fiz ficar de quatro e voltei a meter. Adorava ouvir o som do meu pau entrando e saindo no cú dele. Quando senti que estava chegando o momento, comecei a bater uma punheta pra ele enquanto comia o cú do Bruno. Ele logo gozou na minha mão. Então foi minha vez de gozar de novo no cú dele. Sem tirar o pau, me deitei sobre ele e fiquei engatado, com o pau ainda duro. -Gostou? - perguntei, beijando a nuca dele e a boca. -Adorei. -Quer mais minha putinha? -Quero... Então, sem mesmo tirar o pau, comecei a meter de novo. Minha pica escorria, entrava e saia fácil daquele cú estourado e cheio da minha porra. Bruno gemia e mordia o travesseiro pra não gritar e não chamar a atenção dos donos da pousada. Logo gozei de novo. Estava exausto e me virei na cama, todo estirado. -Cara... eu sabia que tu era gostoso, mas não sabia o quanto... - disse Bruno, me beijando. Ele se levantou, com porra dele escorrendo do pau dele e a minha escorrendo do cú e foi pro banheiro. Quando saiu, já estava de bermuda e me deu mais um beijo. -Quem sabe a gente se vê por aí... - e saiu. Eu não o vi mais nas férias e fiquei pensando bem que podia ter rolado com o Neymar verdadeiro. Heheh